Os casos de covid no Brasil voltaram a aumentar rapidamente e levar ao colapso os sistemas de saúde de vários estados. A previsão é que em pouquíssimo tempo, casos como o de Manaus se repitam por todo o país devido a disseminação da nova variante como explica o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas:

“Está aí o exemplo de Manaus, Jaú, Araraquara. Podem não ser exemplos isolados. Isso pode ser a nova forma de comportamento, que é rapidamente atingir e levar pessoas aos hospitais e lotar as nossas UTIs. Se não agirmos rapidamente podemos ser mais impactados de forma negativa do que na primeira onda”, afirma.

Dimas diz que apesar da vacinação está em processo no país, o coronavírus avança muito mais rápido e a mutação pode ser ainda muito mais perigosa do que se imagina:

“As novas variantes têm taxa de transmissão maior – pelo menos 30% a 50% mais rápidas – e ainda temos a possibilidade que elas possam ser mais agressivas. Isso têm explicado por que em janeiro e fevereiro estamos batendo recordes. Na minha visão, isso deve piorar um pouco pois, embora estejamos fazendo a vacinação, a velocidade da epidemia é maior”, destaca.

Covas prevê um cenário caótico nos próximos meses e critica a postura do Governo no tocante a compra de vacinas e afrouxamento das medidas de isolamento social: “Muita falta de compreensão da necessidade de medidas de restrição de circulação. Houve adesão parcial a essas medidas, diferente de outros países bem-sucedidos. Não foram implementadas políticas efetivas que completassem as medidas, como a vigilância epidemiológica, não houve uma organização eficiente à testagem. Vários fatores explicam”, afirma o diretor.