O colunista do jornal online Metrópoles, Eduardo Barretto, destacou neste domingo (09) o resultado do processo por violência doméstica do deputado federal paraibano Julian Lemos (PSL). Chamando-o de “cicerone de Sérgio Moro em viagem à Paraíba”, Barreto conta que o parlamentar se livrou do seu terceiro processo.

O caso foi arquivado pelo Tribunal de Justiça da Paraíba em setembro. Movidos pela ex-mulher e irmã do parlamentar, os três processos tiveram o mesmo desfecho: após a denúncia, as supostas vítimas recuaram e retiraram as queixas, conta a reportagem.

Segundo a denúncia da irmã, Kamila Lemos, a agressão ocorreu no início da noite de 27 janeiro de 2016, em sua casa. No ano seguinte, contudo, Kamila voltou atrás e afirmou à Justiça que não tinha mais interesse em manter a acusação.

Ex-mulher de Julian Lemos, Ravena Coura denunciou ter sofrido violência doméstica duas vezes, em 2013 e 2016, como mostraram os repórteres Ranier Bragon e Camila Mattoso. Na primeira vez, o deputado foi preso em flagrante. “Você não passa de hoje”, teria dito Julian à ex-companheira. Depois, Ravena informou ao juiz que havia desistido do processo.

Julian Lemos já teve outros problemas com a Justiça: foi condenado por estelionato em 2011. O caso deixou de tramitar porque prescreveu.

Lemos é filiado ao PSL, que se tornará o União Brasil com a fusão ao DEM. Em 2018, foi eleito na onda bolsonarista depois de ter chefiado a campanha de Jair Bolsonaro no Nordeste. Hoje, ataca os Bolsonaro sempre que pode.

Na última semana, Lemos ciceroneou Sergio Moro no início de sua turnê eleitoral pelo Nordeste, começando pela Paraíba. Um dos eventos promovidos por Julian foi sua festa de aniversário, quando disse a Moro no palco: “Queria, meu irmão, te agradecer pela oportunidade. Espero que sejamos grandes amigos”.

FONTE: Metrópoles